Acidente com soda cáustica no trabalho deixa jovem cego por nove dias

24/09/2023 | Centro-Oeste

Para a equipe médica que cuidou de Ruan, a recuperação foi surpreendente – Foto CSSJD

 

 

Ruan Galvão, um jovem de 24 anos de Conceição do Pará, pode afirmar que viveu um verdadeiro milagre: ele recuperou a visão após um grave acidente envolvendo soda cáustica, que o deixou cego por nove longos dias.

 

O acidente ocorreu enquanto Ruan limpava recipientes de requeijão durante o encerramento do expediente na fábrica de laticínios onde trabalhava.

 

No dia 9 de agosto, por volta das 17h30, ele executava a tarefa rotineira de higienizar os recipientes com soda cáustica, uma prática comum para evitar a contaminação dos produtos.

 

De outro cômodo, Ruan pediu a uma auxiliar que acionasse o vapor para aquecer a água misturada com soda cáustica, geralmente a uma temperatura máxima de 80 graus Celsius.

 

No entanto, quando percebeu que estava suficientemente quente, pediu à auxiliar que desligasse o vapor. Infelizmente, a auxiliar não fechou completamente a válvula, e a temperatura subiu para 103,5 graus Celsius.

 

O resultado foi uma visão comprometida e uma das pálpebras queimadas. Um alarme de segurança foi ativado imediatamente, mas, ao tentar sair correndo para desligá-lo, a tampa do compartimento explodiu, e o produto superaquecido atingiu Ruan no braço, abdômen, costas e, principalmente, nos olhos.

 

Tratamento com Oxigenoterapia Hiperbárica (OHB)

 

 

Ruan permaneceu internado na Santa Casa, mas os recursos disponíveis na unidade se esgotaram, levando-o a ser transferido para o Complexo de Saúde São João de Deus, que trata casos de alta complexidade.

 

Quando chegou ao hospital, ainda estava sem enxergar e foi informado de que faria uma sessão na câmara hiperbárica.

 

O tratamento com Oxigenoterapia Hiperbárica (OHB) envolve a respiração de oxigênio puro sob pressão, de duas a três vezes maior que a pressão atmosférica ao nível do mar, dentro de uma câmara hiperbárica.

 

Esse tratamento acelera a cicatrização não apenas da pele, mas também de todo o corpo. Embora a recuperação das queimaduras na pele fosse esperada, a recuperação da visão ainda era incerta.

 

 

Visão recuperada

 

Para a equipe médica que cuidou de Ruan, a recuperação foi surpreendente  – Foto arquivo Ruan Galvão

 

 

 

Dois dias após o início do tratamento, Ruan começou a notar uma melhora gradual em sua visão. No sexto dia de tratamento, conseguiu finalmente abrir o olho direito, que estava fechado devido à queimadura.

 

 

“Percebi que minha visão estava retornando a cada dia, e eu só conseguia agradecer a Deus e a Santa Luzia. Estava enxergando novamente, mesmo que em processo de recuperação, mas já podia ver as coisas”, compartilhou.

 

 

Para a equipe médica que cuidou de Ruan, a recuperação da visão foi igualmente surpreendente.

 

 

“O paciente veio com uma expectativa baixa de recuperação da lesão nos olhos e, assim como ele, todos nós da equipe ficamos surpresos com a recuperação de forma tão rápida e grandiosa”, contou o médico hiperbárico, Henrique Maciel Prudente.

 

 

“A hiperbárica tem muitos benefícios já comprovados para lesões de pele, em relação às queimaduras, mas essa recuperação da visão dele, tão veloz e completa, após prognóstico de possível cegueira, foi algo ímpar”, completou o médico.

 

 

Nove dias após o acidente que o deixou com 95% da visão comprometida, Ruan conseguiu recuperar sua visão por completo.

 

“Eu renasci e agora tenho dois aniversários, para comemorar a vida, 25 de maio e 9 de agosto”.

 

 

“Eu tenho certeza absoluta que foi um milagre. Deus usou todas as pessoas envolvidas e a câmara hiperbárica para promover um milagre. Eu só posso agradecer a Deus por tudo e todas as pessoas que ele colocou no meu caminho desde o momento do acidente”, finalizou o rapaz que agora aguarda o período de atestado vencer para retornar ao trabalho.

 

 

*Com informações do G1

 

 

 

 

 

 

Veja também