Adélia Prado vence o prêmio Machado de Assis 2024

21/06/2024 | Centro-Oeste

A entrega será no dia 19 de julho, no evento de aniversário da ABL – Foto Frame TV Cultura

 

 

A escritora Adélia Prado é a vencedora do Prêmio Machado de Assis 2024, pelo conjunto da obra, anunciou a Academia Brasileira de Letras (ABL) na quinta-feira 20/6.

 

Criado em 1941, o Prêmio Machado de Assis é entregue a autores que se destacam pelo conjunto de sua obra. Os vencedores são escolhidos pelos membros da ABL.

 

A entrega será no dia 19 de julho, no evento de aniversário da ABL. Em 2023, a escritora Marina Colassanti foi a vencedora. Adélia Prado é a 11ª mulher a receber o prêmio, que atualmente tem o valor de R$ 100 mil.

 

“A poesia brasileira está em festa hoje com o reconhecimento da vitória e da obtenção do grande prêmio Machado de Assis”, comentou o poeta Antonio Carlos Secchin, secretário-geral da ABL.

 

Quem é Adélia Prado

 

Adélia Prado completou 88 anos — Foto: Grupo Editorial Record/Divulgação

 

 

Adélia tem 88 anos e vive em Divinópolis. Ela foi professora durante 24 anos até se dedicar por completo à carreira de escritora.

 

Ela foi a primeira mulher premiada na categoria Conjunto da Obra, pela contribuição à literatura brasileira, no concurso Literatura do Governo de Minas, em 2017.

 

Adélia já foi indicada para a Academia Brasileira de Letras. Em 2001, um grupo de atores e jornalistas do Rio de Janeiro formaram um movimento para lançar o nome dela para ser uma das imortais na vaga deixada por Jorge Amado. Mas na ocasião, a viúva do escritor baiano, Zélia Gattai, acabou sendo eleita.

 

Clássicos de Adélia Prado

 

Em 1976, publicou “Bagagem”. Já em 1978 foi a vez de “O coração disparado”, agraciado com o Prêmio Jabuti. Sua estreia em prosa se deu no ano seguinte, com o livro “Solte os cachorros”. Em seguida, publicou “Cacos para um Vitral”.

 

Em 1981, lançou “Terra de Santa Cruz” e, em 1984, “Os componentes da banda”. Em 1991, foi publicada sua “Poesia reunida”.

 

Em 1994, após anos de silêncio poético, ressurgiu com o livro “O homem da mão seca”. Em 1999, foram lançados “Manuscritos de Felipa”, “Oráculos de maio” e sua “Prosa reunida”.

 

Outros prêmios de Adélia Prado

 

  • Jabuti de Literatura (1978)
  • ABL de Literatura Infantojuvenil (2007)
  • Literário da Fundação Biblioteca Nacional (2010)
  • Associação Paulista dos Críticos de Arte (2010)
  • Clarice Lispector (2016)
  • Literatura do Governo de Minas Gerais (2017)
  • Associação de Artistas e Designers de Artes Aplicadas da Sérvia (2018)

 

 

 

 

 

Veja também