NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 25 de junho de 2021

No quarto da adolescente, foram encontradas diversas facas e um facão – Foto Reprodução Internet

 

 

 

Uma adolescente que postou nas redes sociais uma ameaça de massacre em escola e atentados contra famílias assustou e mobilizou a Polícia Civil de Minas Gerais, que promoveu, no último sábado (15/5), a operação “Male Adversus”.

 

A ação policial rastreou mensagem em que a menina afirmava que ia matar colegas e familiares. Os policiais, então, solicitaram um mandado de busca e apreensão na casa dela, na Grande BH. No quarto da adolescente, foram encontradas diversas facas e um facão.

 

As investigações ainda estão em andamento e outros detalhes não foram divulgados.

 

Nesta segunda-feira (17/5) a polícia fez um comunicado em que orienta os pais a observarem o comportamento dos filhos. “Queremos tornar público para que os pais fiquem atentos a situações em que os filhos, de repente, possam estar envolvidos”, reforça o chefe do Departamento Estadual de Combate à Corrupção e a Fraudes, Agnelo Baeta.

 

A delegada Danielle Aguiar destaca a importância de os responsáveis estarem atentos à conduta dos filhos na internet e aos objetos que possuem nos quartos.

 

“O comportamento dos adolescentes tem mudado, sobretudo no panorama atual, e requer atenção dos familiares e dos pais, que sejam diligentes na condução da educação, na fiscalização dos atos”, explica a delegada.

 

Danielle Aguiar orienta que os pais acompanhem as redes sociais dos filhos, os grupos de que estão participando dentro de aplicativos de mensagens e os assuntos que têm interesse.

 

“É importante que os pais façam essa fiscalização, estejam atentos a qualquer mudança de comportamento. Às vezes, o adolescente, do nada, começa a ficar introspectivo, a se isolar da família, não tem amigos. Então o pai tem que buscar sobretudo manter o diálogo saudável com os filhos e, além disso (de mostrar que está ali como um amigo), tem que exercer sua autoridade”, afirma a delegada, ao completar que, se necessário, os pais devem buscar ajuda profissional.

 

Por Uai