Apagão deixa parte de Itaúna e cidades do Centro-Oeste sem energia

16/08/2023 | Centro-Oeste

Picos de falta de luz foram registrados em Itaúna, Divinópolis e Nova Serrana –  Foto Raimesson Martins/Rede Amazônica

 

 

Algumas regiões de Itaúna, Divinópolis, Nova Serrana,  Formiga e Carmo da Mata registraram queda de energia na manhã desta terça-feira 15/8. Os relatos de falta de luz começaram a partir das 8h30.

 

Aqui em Itaúna, o parque de transmissões da Rádio Santana, no Morro do Bonfim, também foi afetado.

 

No Brasil houve relatos de falta energia no Distrito Federal e em 25 estados. Apenas o estado de Roraima não registrou queda de luz.

 

De acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrica (ONS), responsável pela coordenação e controle da operação das instalações de geração e transmissão de energia no país, uma ocorrência na rede de operação do Sistema Interligado Nacional interrompeu 16 mil MW de carga em estados do Norte, Nordeste e Sudeste do Brasil.

 

As causas da ocorrência ainda estão sendo apuradas.

 

Segundo o coordenador do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), José Marengo, a causa do apagão deve ser operacional, pois não há um alerta pela seca, por exemplo, que pudesse impactar a produção e distribuição de energia.

 

“Apesar do baixo nível de chuva, não estamos em uma situação de seca extrema, principalmente na região nordeste, que foi onde começou o apagão”, explicou.

 

Cemig emite

 

Em nota, a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), informou que parte do sistema elétrico que atende os clientes de Minas Gerais foi afetada, na manhã desta terça-feira pelo acionamento automático do Esquema Regional de Alívio de Carga (ERAC) do Sistema Interligado Nacional (SIN), que evita a propagação de desligamentos no SIN.

 

Segundo a companhia, o desligamento ocorreu aproximadamente às 08h31 e o restabelecimento se iniciou a partir da autorização do ONS, às 08h46. Todos os clientes afetados da área de concessão da Cemig Distribuição em Minas Gerais foram restabelecidos.

 

Roraima não foi afetado pelo apagão

 

Fora do sistema interligado nacional, Roraima é o único no país que não foi afetado pelo apagão. A energia do estado é fornecida por termelétricas locais operadas pela empresa Roraima Energia.

 

“Informamos que Roraima é o único estado não interligado ao Sistema Interligado Nacional-SIN, por isso não houve impacto”, reforçou em nota a Roraima Energia.

 

Embora esteja fora do Sistema Interligado Nacional (SIN) e não tenha sido afetado no apagão desta terça, em Roraima há frequentes registros de queda de energia. Um dos mais recentes e impactantes foi registrado em abril, quando o estado ficou 5 horas sem energia.

 

O parque térmico do estado é formado por 17 Centrais Geradoras Termelétrica (UTE) e uma Pequena Central Hidrelétrica (PCH), que geram uma média diária de 200 megawatt (veja quais são elas mais abaixo). Ao todo, são quase 176 mil consumidores que dependem da empresa no estado.

 

A solução para ligar Roraima ao sistema nacional é a construção do linhão de Tucuruí. Impasse durante anos, no início do mês o presidente Lula (PT) assinou uma ordem de serviço para o início das obras – a linha de transmissão vai ligar Manaus a Boa Vista e conectar Roraima ao SIN. A obra é pedida há anos pelo governo do estado, que sofre frequentemente com a falta de energia, mas nunca saiu do papel.

 

Ministro pede que PF apure causa do apagão

 

O ministro disse que a apuração é para melhorar a segurança do sistema – Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil

 

 

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, acionou o Ministério da Justiça para que a Polícia Federal apure as responsabilidades da queda de energia dessa terça-feira. O ministro afirmou que a apuração é para melhorar a segurança do sistema elétrico.

 

O sistema de energia foi restabelecido ainda na tarde de terça-feira. Mas a distribuição ao consumidor demorou mais um pouco para voltar.

 

O Ministro defendeu a robustez do sistema elétrico brasileiro. Ele afirmou que ocorreram dois eventos expressivos para a queda da energia em todo país. Mas que até o momento, o Operador Nacional do Sistema Elétrico identificou apenas um problema numa linha de transmissão no Ceará.

 

O ministro de Minas Energia voltou a questionar a privatização da Eletrobras, que corresponde a 1/3 da produção de energia do país. Segundo Silveira, o governo só ficou sabendo, pelos jornais, da saída do CEO da empresa, Wilson Ferreira Jr, nesta segunda-feira.

 

A Advocacia Geral da União acionou o STF, em maio para questionar dispositivos da lei que permitiu a privatização da Eletrobras. A União tem 43% de ações da empresa, mas a legislação impede que qualquer acionista da Eletrobras exerça poder de voto maior que 10%, impedindo que o governo federal influa na gestão da empresa.

 

 

Veja também