Aras diz em sua despedida que sofreu com ‘falsas narrativas’

21/09/2023 | Brasil

O procurador-geral da República, Augusto Aras – Foto: Reprodução/ TV Justiça

 

 

O procurador-geral da República, Augusto Aras, que está no fim do mandato, disse nesta quinta-feira 21/9, que os últimos anos à frente do cargo foram de “desafios”, “falsas narrativas” e “incompreensões”.

 

Aras discursou na sessão do Supremo Tribunal Federal (STF). O procurador-geral costuma participar dos julgamentos no papel de representante do Ministério Público.

 

O mandato de Aras termina no fim deste mês. Ele não deve ser reconduzido ao cargo pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a quem cabe indicar o procurador-geral.

 

Aras comandou a PGR ao longo do mandato do ex-presidente Jair Bolsonaro. O procurador-geral sofreu críticas por não ter levado adiante investigações contra o ex-presidente, como, por exemplo, denúncias sobre a atuação negacionista de Bolsonaro na pandemia de Covid.

 

No STF, ao defender sua atuação, Aras disse que sua gestão teve ‘algumas incompreensões e falsas narrativas, dissonantes com o trabalho realizado”.

 

Ele quis ressaltar que não se pautou por motivação política.

 

“Nossa missão não é caminhar pela direita ou pela esquerda, mas garantir, dentro da ordem jurídica, que se realize justiça, liberdade, igualdade e dignidade da pessoa humana”, disse Aras.

 

Citando uma frase famoso do histórico primeiro-ministro britânico Winston Churchill, Aras afirmou que entregou, em sua gestão, “nada menos que sangue, suor e lágrimas”.

 

Homenagem do decano

 

O procurador-geral recebeu uma homenagem do decano do STF, ministro Gilmar Mendes.

 

O ministro afirmou que Aras assumiu a responsabilidade de liderar o Ministério Público em um “período desafiador da história da nação”.

 

“Ao longo dos últimos 4 anos, o Brasil passou pela pandemia da Covid-19. Enfrentamos eleições presidenciais conturbadas que dividiram o país. Passamos por constantes ataques à democracia, que culminaram no infame dia 8 de janeiro, com invasão dos três poderes”, afirmou Mendes

 

“O procurador nos garantiu firmeza com o Estado de Direito. Postura de equilíbrio, sensatez na condução do órgã de cúpula”, completou Mendes.

 

 

Veja também