NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 14 de junho de 2021

bombardeio iemen mortos

 

 

Pelo menos 13 civis morreram nesta quinta-feira (26) no Iêmen em um bombardeio de um caça saudita contra o bairro de Bani Heuat, no norte da capital Sana.

Cinco casas foram destruídas pelo impacto de um projétil, que aparentemente estava dirigido contra o aeroporto internacional de Sana – controlado pelo movimento xiita dos houthis -, mas errou sua trajetória.

A aviação saudita bombardeou a base aérea de Al-Daylami e o aeroporto internacional da capital iemenita, assim como o complexo presidencial que está sob poder dos rebeldes desde janeiro. Um incêndio foi registrado no palácio presidencial.

Os bombardeios começaram pouco depois que Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Kuwait, Qatar e Bahrein decidiram responder ao pedido do presidente iemenita, Abdo Rabbo Mansour Hadi, de atuar militarmente para conter o avanço dos rebeldes houthis.

Várias pessoas também ficaram feridas em Beni Heuat, onde as equipes de resgate trabalham para retirar as vítimas, entre as quais há mulheres e crianças, de debaixo dos escombros.

Segundo a emissora de televisão “Al Masira”, do movimento houthi, também houve bombardeios contra o bairro Al-Sabaha, no oeste da capital. A emissora fez um pedido aos médicos para que se dirigissem com urgência aos hospitais e aos moradores para que doassem sangue.

Os houthis conseguiram chegar às portas da cidade de Áden, onde Hadi estabeleceu seu governo após fugir de Sana, o que desencadeou esta operação regional.

O presidente iemenita, que se encontra em paradeiro desconhecido, tinha pedido tanto à ONU como aos países árabes uma intervenção militar para fazer frente à ofensiva do movimento xiita.

Ao anunciar sua campanha, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Kuwait, Catar e Bahrein, membros do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG), ressaltaram que “o golpe de Estado” dos houthis e seu avanço representam uma ameaça para a segurança e a estabilidade do Iêmen e da região.