Caso Backer: cada vítima será indenizada em R$ 500 mil

24/07/2023 | Minas Gerais

A contaminação nas cervejas da Backer veio à tona em janeiro de 2020 – Foto @cervejariabacker

 

 

O Ministério Público de Minas e a Cervejaria Três Lobos, responsável pela Backer, firmaram um acordo que prevê pagamento de R$ 500 mil para cada vítima mais R$ 150 mil por familiar de primeiro grau. Dez pessoas morreram e outas tiveram sequelas após consumir a cerveja Belorizontina contaminada com dietilenoglicol.

 

A empresa também terá que pagar valor correspondente ao último salário recebido pela vítima antes da intoxicação, enquanto ela não puder voltar a trabalhar, além de ressarcir todos os gastos relacionados ao tratamento médico. A cervejaria ainda terá que arcar com prejuízos causados por oportunidades e trabalhos perdidos devido à contaminação.

 

Até o momento, nove pessoas foram reconhecidas pela perícia do MPMG e estão aptas a aderir ao acordo, caso queiram – todas estão vivas. O número é inferior ao total de vítimas identificadas no inquérito da Polícia Civil (29) e na denúncia do próprio Ministério Público (26).

 

Segundo o promotor Fernando Abreu, muitas pessoas ingressaram com ações individuais. No entanto, outras vítimas ainda podem aderir ao acordo, caso sejam reconhecidas pela perícia do MPMG.

 

“No âmbito da ação civil pública, nós temos 15 pessoas, nove de fato reconhecidas e aptas a aderir ao acordo. Uma foi expressamente afastada, tanto pela perícia judicial quanto pela perícia realizada pelo MPMG. Sobre outras cinco pessoas consta informação que acaba trazendo uma certa dúvida, sem elementos para afirmar ou negar, quadro compatível, algo que deve ser resolvido na esfera individual de cada processo”, explicou.

 

Com a celebração do acordo, homologado nesta quinta-feira (20) pela Justiça, a ação civil pública que tratava da indenização, movida pelo MPMG, foi extinta.

 

“A empresa reconheceu na integralidade todos os pedidos formulados pelo Ministério Público no que diz respeito às vítimas […] Ou seja, ainda que nós seguíssemos com o processo até o final, o máximo que a Justiça poderia dar seria esse valor, porque foi o pedido pelo MP”, afirmou o promotor Fernando Abreu.

 

A empresa Empreendimentos Khalil Ltda, que também era ré na ação, vai destinar 244 lotes para garantir o pagamento das indenizações. Segundo o promotor, a medida busca dar segurança ao processo, uma vez que a Backer está em recuperação judicial.

 

“Parte dos sócios da Backer é sócio dessa empresa, eles estão usando parcela do patrimônio de outra empresa como forma de garantir as indenizações […] Se em um ano, prorrogável por mais 180 dias, não tiver solução, [a empresa] assume a obrigação de transferir esses 244 lotes para a associação das vítimas”, disse.

 

Relembre

 

A contaminação nas cervejas da Backer veio à tona em janeiro de 2020, quando a Polícia Civil começou a investigar a internação de várias pessoas após o consumo da cerveja Belorizontina com sintomas de intoxicação. Dez vítimas morreram e outras ficaram com sequelas.

 

Segundo as investigações da Polícia Civil, a contaminação das cervejas por monoetilenoglicol e dietilenoglicol aconteceu devido a um vazamento no tanque da fábrica.

 

Em outubro de 2020, a Justiça recebeu a denúncia feita pelo Ministério Público contra 11 pessoas, que tornaram-se réus. Uma delas morreu em novembro de 2020.

 

O MP considerou que, ao adquirir deliberadamente o monoetilenoglicol, impróprio para o uso na indústria alimentícia, três sócios-proprietários da cervejaria assumiram o risco de produzir as bebidas alcoólicas adulteradas.

 

De acordo com o órgão, sete engenheiros e técnicos encarregados da fabricação da bebida agiram com dolo eventual ao fabricarem o produto sabendo que poderia estar adulterado. Eles foram denunciados por homicídio culposo e lesão corporal culposa.

 

Também foi denunciada uma testemunha por apresentar declarações falsas no decorrer do inquérito policial.

 

As testemunhas de acusação e de defesa já foram ouvidas. O próximo passo do processo é o interrogatório dos acusados, ainda sem data marcada.

 

 

Veja também