NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 14 de junho de 2021

a

 

 

 

Hoje o centro de convivência está localizado à Rua Godofredo Gonçalves no centro de Itaúna, próximo onde há algum tempo funcionava o cartório de registros. Antes do feriado de 21 de abril dia de Tiradentes os funcionários responsáveis pelo centro foram comunicados pelo a secretaria de saúde que por estarem passando por uma série de cortes de custos devido a uma crise financeira seria feita uma mudança de enderenço onde os atendimentos passariam a acontecer no Caps 2, que é mais conhecido pela a população como Hospital Dia. Temendo a reação dos pacientes do centro de convivência a Psicóloga responsável Josete Maria Saldanha Franco informou para a reportagem da Santana FM que preferiu conversar e comunicar os usuários do serviço apenas depois do feriado ou seja na quarta-feira dia 22, pois eles teriam como auxiliar melhor as pessoas no caso de alguma reação quanto a notícia.

Assim então foi feito, na quarta-feira os assistidos pelo centro foram comunicados da mudança de endereço e o que já era esperado aconteceu, o pessoal não gostou e entendeu que seria um retrocesso porque as pessoas que se encontram em tratamento no Caps 2 estão em um período de crise do seu tratamento. Insatisfeitos, na quarta-feira mesmo os beneficiados pelo atendimento do Centro de Conivência procuraram a Câmara de Vereadores para solicitar espaço para se expressarem e pedir ajuda aos edis. Como o espaço tribuna livre já estava ocupado eles conseguiram para falar no espaço popular. Os usuários então se organizaram para comparecer à reunião realizada no dia 23 (quinta-feira).

Estiveram presentes para se manifestar de maneira pacifica aproximadamente 25 atendidos do centro de convivência e aproximadamente 6 alunos de medicina da área de psiquiatria, eles também contaram com o apoio do conselho municipal de saúde. Após exporem suas insatisfações durante a reunião, o posicionamento que tiveram era o de que teriam o apoio dos vereadores.

Durante a tarde dessa segunda-feira (27) a reportagem foi recebida no centro de convivência pela Psicóloga Josete Franco que falou da real situação em que se encontra o centro de convivência que atualmente está instalado na Rua Godofredo Gonçalves. “O centro de convivência funciona neste endereço há 10 anos e em maio ele completa 11 anos de serviço, foi aprovada sua criação na terceira conferência municipal de saúde. É um serviço que se encontra em expansão e havia uma demanda de toda equipe e usuários de uma mudança para um espaço maior. Infelizmente pela crise que estamos vivendo nós fomos comunicados pela secretaria de saúde que essa ampliação nesse momento não poderia acontecer e que passariam a funcionar no Caps 2 onde é conhecido pela comunidade como Hospital dia” – disse Josete.

Questionada sobre a questão do aluguel a psicóloga informou que a administração não só banca essa despesa, mas também os pagamentos dos profissionais. É que o centro de convivência está inserido no SUS (Sistema único de Saúde), o valor do aluguel gira em torno de aproximadamente R$930,00 a R$940,00. Segundo Rosete esta mudança de endereço não passa apenas pelo o aluguel, mas também pela redução da folha de pessoal, água, luz e telefone, de acordo com ela esta foi a explicação passada pela Secretaria de Saúde

A psicóloga explica que os usuários entendem que o Caps e o centro de convivência oferecem atendimento completamente distintos. O Cpas é o local da crise, o local que o paciente está em uma fase de tratamento mais aguda da sua doença, já o centro de convivência é o local da promoção da saúde, o paciente já está estável e está sendo inserido na comunidade, e as suas atividades já são produtivas.

Josete confirmou que a partir do momento que se comunicou à secretaria a insatisfação dos usuários foi renovado o contrato de aluguel do imóvel por mais 60 dias e que na próxima quarta-feira (29) deve ser realizada uma reunião com familiares, usuários e servidores juntamente com a secretária de saúde Ângela Amaral para que se possa chegar a um acordo.

Na oportunidade a Rádio Santana FM conversou com o paciente Welbert, que participa de algumas oficinas e trabalhos voluntários, ele conta que saiu de Mateus Leme para morar em Itaúna por não haver naquela cidade atendimento psicológico para a saúde mental. Ele relata que tem três anos que faz parte do projeto e foi o lugar que melhor o acolheu e foi o primeiro lugar fora de Mateus Leme que ele fez sua primeira exposição de artes plásticas. Ele ainda ressalta que em momento algum eles receberam a notícia que fechariam o centro de convivência. Welbert entende que é um retrocesso, eles passarem para um Caps 2 onde tem um local de trabalho bem menor, onde eles não teriam como se desenvolver bem e do jeito que merecem.

Conversamos com outra usuária que participa do projeto desde o início, a senhora Maria de Fatima, além de participar de diversas oficinas ela ensina aos demais colegas coisas que ela já aprendeu como confeccionar palhaços.

 

Ela ainda informa que onde estão querendo colocar o pessoal não tem espaço para as oficinas, além de haver muitas pessoas em crise e que eles já estão recuperados, e conseguem desenvolver trabalhos, fazer exposições e que o Centro de Convivência é o local onde eles conseguem vender o trabalho deles. Ela ainda alega que essa mudança iria acabar com a autonomia que eles tem. “ Ia por agente num lugar que você ia ta andando para traz igual caranguejo e o nosso objetivo não é esse voltar para traz, é continuar mostrando os nossos trabalhos é mostra que a gente é capaz e que temos condições de fazer isso e muito mais” (sic) – diz Maria de Fatima que completa “eles podem cortar qualquer gasto, mas menos mexer na saúde e na educação”.

O centro de convivência completa 11 anos no dia 18 de maio e só no mês de Março foram atendidos 981 usuários e desenvolvidas 147 oficinas. A reportagem foi informada que os usuários procuraram o promotor da área de saúde e ele informou que só poderia intervir caso houvesse a mudança e algum paciente tivesse algum retrocesso.

Nesta semana a Rádio Santana FM, trará mais informações sobre este assunto. 

 

Clique aqui e ouça a entrevista