Ciclone provoca caos e deixa 3 mortos e 12 desaparecidos no RS

16/06/2023 | Brasil

Ciclone está passando pela costa da Região Sul – Foto Jonas Campos /RBS TV

 

 

Três pessoas morreram e 12 estão desaparecidas por consequência dos temporais causados por um ciclone extratropical que atingem o estado desde a madrugada, na manha dessa sexta-feira (16).

 

Pelo menos 16 municípios gaúchos registraram alagamentos: Porto Alegre, Lindolfo Collor, Ivoti, Santo Antônio da Patrulha, Novo Hamburgo, Caraá, Três Forquilhas, Três Cachoeiras, Morrinhos do Sul, Capão do Canoa, Torres, São Leopoldo, Tramandaí, Maquiné, Caxias do Sul e Sapiranga. Estradas estão bloqueadas, voos foram cancelados e há falta de luz em várias regiões.

 

Cerca de 250 mil clientes estão sem energia elétrica na área de concessão da Companhia Estadual de Geração de Energia Elétrica (CEEE). As regiões mais afetadas são a Metropolitana (com 205 mil clientes sem energia) e Litoral Norte (com 40 mil).

 

Em Lindolfo Collor, cidade com cerca de 6 mil habitantes a 55 km de Porto Alegre, as aulas estão suspensas. O município está com casas e estabelecimentos comerciais submersos. A Defesa Civil municipal realizou resgate de pessoas de barco. O único acesso desobstruído na cidade é por Ivoti. A sede da prefeitura teve o primeiro andar totalmente alagado, e o centro de cultura também registrou acúmulo de água.

 

Durante sobrevoo de helicóptero do Batalhão de Aviação da Brigada Militar, um morador de Lindolfo Collor que estava ilhado foi localizado e resgatado junto com o seu cachorro.

 

Em Ivoti, prefeito Martin Kalkmann, decretou situação de emergência por causa das fortes chuvas. O decreto foi publicado na manhã desta sexta autorizando a mobilização de todos os órgãos municipais para atuarem sob a coordenação da Coordenadoria de Defesa Civil, nas ações de resposta à enchente com o objetivo de facilitar a assistência à população afetada.

 

Em Santa Catarina, o ciclone extratropical deixou desabrigados, isolou comunidades e causou deslizamentos e outros estragos. Praia Grande amanheceu nesta sexta-feira (16) com moradores desalojados e bairros destruídos. Uma imagem divulgada pela prefeitura nesta manhã mostrou que o sofá de uma residência foi encontrado no meio de uma rua no centro da cidade.

 

Morte e desaparecimentos

 

De acordo com as autoridades, duas mortes foram registradas em São Leopoldo, na Região Metropolitana, e uma em Maquiné, no Litoral Norte. Durante a manhã, o governador Eduardo Leite informou que uma das vítimas de São Leopoldo tinha 23 anos e sofreu uma descarga elétrica.

 

À tarde, os Bombeiros informaram que o corpo de um desaparecido foi encontrado no bairro São José. As informações sobre a vítima de Maquiné não foram divulgadas.

 

Conforme a Defesa Civil do RS e prefeituras, oito pessoas estão desaparecidas em Caraá, duas em Três Forquilhas e duas em Maquiné. Um morador de Maratá que estava desaparecido foi localizado.

 

Inicialmente, o governo do RS havia informado que um morador de Portão estava desaparecido, mas a prefeitura afirmou que ele está no centro de eventos da cidade, com os demais desabrigados.

 

Aulas canceladas

 

Prefeituras de 21 cidades cancelaram as aulas em escolas, por questão de segurança, nesta sexta-feira (16) devido aos problemas causados pelo ciclone extratropical que atingiu o Rio Grande do Sul.

 

Cancelaram aulas as cidades de Alvorada, Brochier, Cachoeirinha, Canoas, Capão da Canoa, Cidreira, Dom Pedro de Alcântara, Gravataí, Lindolfo Collor, Maquiné, Maratá, Novo Hamburgo, Osório, São Leopoldo, Sapucaia do Sul, Terra de Areia, Torres, Tramandaí, Três Cachoeiras, Viamão e Xangri-Lá.

 

Hospital alagado

 

O Hospital Santa Luzia, em Capão da Canoa, no Litoral Norte do RS, restringiu totalmente os atendimentos desde a noite de quinta-feira (15), após ficar completamente inundado por conta da forte chuva que atingiu a cidade. Imagens mostram a água entrando pelas janelas e alagando corredores da unidade (veja acima).

 

A direção da instituição chegou a divulgar um comunicado em que orienta pacientes a procurarem outras unidades de saúde.

 

À tarde, o serviço foi restabelecido. O serviço de tomografia continua suspenso. Procedimentos eletivos do dia não foram retomados e estão sendo reagendados.

 

Em Sapiranga, na Região Metropolitana de Porto Alegre, o Corpo de Bombeiros usou botes para resgatar dois pacientes que estavam internados na Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) nesta sexta-feira (16).

 

De acordo com a prefeitura da cidade, o local ficou inundado devido ao temporal causado pelo ciclone extratropical que passa pela costa da Região Sul do Brasil.

 

Outros 15 pacientes que estavam na UPA, além dos dois resgatados, foram encaminhados para o hospital da cidade, onde receberam acolhimento.

 

O Executivo Municipal orienta a população a procurar o hospital se precisarem de atendimentos médicos de urgência e emergência.

 

Ciclone extratropical

 

Um ciclone extratropical que está passando pela costa da Região Sul do Brasil provocou chuvas intensas e ventos fortes no Rio Grande do Sul durante a madrugada desta sexta-feira. Diversas cidades do estado registram alagamento, estradas bloqueadas, voos cancelados e falta de luz.

 

De acordo com a Climatempo, o ciclone extratropical deve se aprofundar em todo o litoral da Região Sul do Brasil, originando uma nova frente fria, que resultará em chuvas intensas e volumosas e rajadas de vento forte em todo o RS e SC.

 

A Defesa Civil do RS emitiu alerta para a chuva intensa e ventos fortes nas regiões da Serra, Litoral Norte e Metropolitana de Porto Alegre. Os rios Caí, Paranhana e Sinos têm possibilidade de cheias. O governador Eduardo Leite (PSDB) afirmou que equipes da Defesa Civil, do Corpo de Bombeiros e da Brigada Militar estão mobilizadas para dar assistência às comunidades mais afetadas.

 

Fim de semana

 

No sábado (17), a Climatempo indica que o tempo deve ficar firme em boa parte do Rio Grande do Sul. No Nordeste, no Litoral e em alguns pontos da Serra, no entanto, ainda deve chover durante o dia, mas de forma menos intensa do que nos dias anteriores. Nas mesmas áreas, também deve haver vento com cerca de 60 km/h de velocidade.

 

Na maior parte do estado, o tempo deve se manter firme, sem chuva forte, mas com nebulosidade, principalmente na manhã e na tarde.

 

Já no domingo (18), uma massa de ar de origem polar, que é fria e seca, deve avançar pelo estado, causando geada ampla no RS, e também sobre Santa Catarina e o sul do Paraná. O dia deve ter tempo firme em todo o Rio Grande do Sul, com geada da Campanha à Serra e ao Norte do estado, sempre com temperaturas baixas. Em algumas cidades, os termômetros devem ficar abaixo dos 4°C no início do dia.

 

A chuva pode voltar a algumas cidades na segunda-feira (19), principalmente na metade sul do RS a partir do meio-dia. A chuva nas regiões Leste e Norte deve ocorrer entre segunda e quarta-feira (22).

 

A Climatempo ainda indica que entre os dias 25 e 29 de junho pode haver mais temporais no Rio Grande do Sul, com possibilidade de acumulados elevados, causados por mais duas frentes frias que passam pelo sul do país.

 

Por G1 

 

 

Veja também