Corpo de Sheilla será sepultado em Carmo do Cajuru

9/10/2023 | Centro-Oeste

Sheilla sumiu no dia 9/09, após fazer uma corrida no Bairro Campina Verde, em Divinópolis – Foto Redes Sociais

 

 

Após a liberação do Instituto Médico Legal (IML) em Belo Horizonte, familiares de Sheilla Angelis de Almeida se deslocaram no fim da tarde desta segunda-feira 9/10, para buscar o corpo da motorista de aplicativo.

 

O velório e o sepultamento irão ocorrer na manhã desta terça-feira 10/10,  em Carmo do Cajuru, como informou a Funerária Jadapax.

 

No domingo 8/10, a Polícia Civil confirmou que o corpo em estado avançado de decomposição, encontrado em uma estrada de Marilândia, distrito de Itapecerica, é de Sheilla Angelis que desapareceu no dia 9 de setembro em Divinópolis.

 

Corpo encontrado na zona rural de Itapecerica – Foto Polícia

 

 

A identificação foi realizada por meio de exame de odontologia legal, realizado pelo Instituto Médico Legal (IML) André Roquete, em Belo Horizonte.

 

Na quarta-feira 4/10, da semana passada, a polícia havia divulgado que o suspeito Rafael Monteiro de Sena – preso junto com a namorada, Letícia Joice de Oliveira, no Rio de Janeiro (RJ) – confessou que matou a motorista.

 

Sheilla foi agredida, estrangulada e ainda esfaqueada nas costas por Rafael.

 

“Ele tentou desmaiá-la com um golpe de asfixia, mas não conseguiu. Ele viu que no solo havia pedaços de telhas e bateu na cabeça dela. Ainda que sangrando, ela reagiu. Então ele volta no carro dela, pega uma corda e com o uso dela tentou enforcá-la, momento que ela desfaleceu. Ele corta a corda, e usa uma das partes para amarrar os punhos dela, com o outro pedaço ele amarra os braços dela ao corpo. Depois a colocou no porta-malas do próprio carro e desferiu quatro facadas nas costas delas”, disse o delegado Wesley Costa.

 

Crime premeditado

 

Polícia Civil detalha investigação do caso da motorista Sheilla Angelis – Foto reprodução PC

 

Segundo o delegado, Rafael chegou a solicitar o serviço da motorista horas antes de cometer o crime.

 

“Ao meio-dia, o investigado ligou diversas vezes acionando o aplicativo tentando uma corrida, quando quem aceitou foi a Sheilla, ele realizou corrida. A princípio essa corrida tinha como objetivo estudar a vítima, como ela trabalhava, a eventual forma de abordagem dela para cometer o crime”.

 

Após o termino do trajeto, Rafael então teria planejado chamar Sheilla novamente e usou um celular de outra pessoa para não deixar suspeitas que ligasse a ele.

 

“Por volta das 18h30, o suspeito estava na Praça do Santuário, onde procurou um adolescente e pediu o telefone dele emprestado para ligar com Sheilla. Ele solicitou uma nova corrida, inclusive, informando que seria o mesmo rapaz que havia feito a corrida ao meio-dia, com objetivo de ter a confiança dela, e utilizando telefone de terceiro para apagar qualquer registro que ligasse a ele”, afirma o delegado.

 

Após matar a motorista, Rafael e a namorada dele abandonaram o corpo de Sheilla e seguiram para o Rio de Janeiro. Durante o trajeto, ele usou o cartão bancário dele para pagar alguns pedágios nas rodovias de Minas Gerais e tentou usar o cartão de Sheilla para pagar compras.

 

 

 

Exame confirma; corpo encontrado em estrada é de motorista desaparecida

 

 

Motorista desaparecida foi agredida com telhas e esfaqueada

 

 

 

Preso casal suspeito de envolvimento no desaparecimento de Sheilla

 

 

*Com informações do G1 

 

 

Veja também