NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 25 de fevereiro de 2021

Foto Reprodução Internet

 

O Ministério da Saúde  poderá distribuir ainda nesta semana mais imunizantes para as Unidades Regionais de Saúde.

O Instituto Butantan entrega, nesta terça-feira, ao Ministério da Saúde 1,2 milhão de doses da vacina contra a Covid-19 Coronavac. Até o fim de fevereiro serão entregues outros 2,7 milhões, totalizando 3,9 milhões no período.

O planejamento, segundo o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, é entregar 40 milhões de doses da Coronavac até abril. Aproximadamente 600 mil doses da vacina estão sendo produzidas diariamente no Brasil, mas a expectativa é que sejam fabricadas 2 milhões por dia a partir de abril.

“Temos 400 funcionários em três turnos de trabalho. Nós não paramos. Não há fim de semana, não há feriado. Nós trabalhamos dia e noite para a produção dessa vacina”, afirma Covas.

Pelo contrato assinado com o governo federal, o Ministério da Saúde deve receber 100 milhões de doses da vacina do Butantan até setembro. Um novo pedido para mais 30 milhões de doses está sob análise pelo instituto.

Está previsto para chegar na semana que vem mais 8,2 mil litros da matéria-prima para a produção de outras 15,2 milhões de doses da Coronavac. Segundo Dimas Covas, a exportação da China já foi autorizada e o avião deve pousar no Brasil até quarta-feira da semana que vem.

Oxford/ AstraZeneca

O avião da companhia Emirates com 2 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca contra Covid-19 chegou ao Brasil na manhã desta terça-feira, às 6h27 – segundo informações da CNN.A aeronave decolou na segunda-feira (22) de Mumbai, na Índia, e fez escala em Dubai, nos Emirados

O voo seguirá para o Rio de Janeiro, onde serão levadas as doses para o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz).

As doses foram produzidas pelo Instituto Serum, parceiro da AstraZeneca na Índia e maior produtor mundial de vacinas. Mesmo prontas, as vacinas precisarão passar primeiro por Bio-Manguinhos para que possam ser rotuladas antes de serem distribuídas ao Programa Nacional de Imunizações.

A importação de doses prontas é uma estratégia paralela à produção de vacinas acertada entre a AstraZeneca e a Fiocruz. Para acelerar a disponibilidade de vacinas à população, 2 milhões de doses já foram trazidas da Índia em janeiro e está previsto um total de 10 milhões de doses prontas a serem importadas. Além dos 2 milhões que chegam agora país, mais 8 milhões estão previstas para os próximos dois meses.

Enquanto negocia a chegada das doses prontas, a Fiocruz trabalha na produção local das vacinas Oxford/AstraZeneca. Segundo o acordo com a farmacêutica anglo-sueca, a Fiocruz vai produzir 100,4 milhões de doses de vacinas até julho, a partir de um ingrediente farmacêutico ativo (IFA) importado. A primeira remessa desse insumo já chegou ao Bio-Manguinhos e o primeiro milhão de doses produzido na Fiocruz tem entrega prevista para o período de 15 a 19 de março.

De acordo com a fundação, os dois primeiros lotes estarão liberados internamente nos próximos dias. Esses lotes são destinados a testes para o estabelecimento dos parâmetros de produção.

Por O Tempo