NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 4 de dezembro de 2020

Foto Reprodução

 

O Secretário Municipal de Saúde Amarildo de Sousa confirmou, nesta sexta-feira (20), o início da desmobilização do hospital de campanha. Ele foi instalado no estacionamento da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) para atender pacientes com quadro clínico de Covid-19.

A unidade estava operando com 20 leitos de enfermaria e outros 35 no Centro de Terapia Intensiva (CTI), a média da taxa de ocupação é de aproximadamente 30%. Ela recebe pacientes também de outros municípios da região Centro-Oeste, como Carmo do Cajuru, Itapecerica, São Sebastião do Oeste, entre outros.

Embora o número de casos estejam aumentando, segundo o secretário, por enquanto há “uma tranquilidade”. A decisão de desmontar partiu do Comitê Estadual de Enfrentamento à Covid-19.

“Estamos mantendo essa estratégia porque ainda temos números que nos dão essa tranquilidade. Mas a curva de transmissão ela está mudando, passou a aumentar. A média começou a subir novamente. Esse indicativo de desmonte foi feito pelo comitê estadual será observado de 10 em 10 dias para que façamos com muita segurança e não coloquemos em risco a segurança da população e não precisemos correr atrás depois para montar novamente”, explicou Amarildo.

Divinópolis tem 70 pacientes internados em tratamento contra a doença ou com suspeita. Desde total, 29 em UTI, sendo 12 pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e 41 (20 pelo SUS) na enfermaria.

Boletim desta sexta aponta 2223 casos confirmados do novo coronavírus em Divinópolis e 74 mortes. 1993 pacientes estão recuperados.

Minas controlada

Em visita a Divinópolis o governador Romeu Zema (Novo) disse que “o momento é de observação”. Afirmou que, embora os dados do Ministério Público tenham sinalizado um aumento, os números não demonstram a realidade, devido a uma falha no sistema.

“Tivemos realmente um aumento no número de casos, mas aqueles que acompanham sabem que o Ministério da Saúde, nos últimos 15 dias, teve problemas de informação, o que fez com que nos primeiros dias aparecesse uma queda expressiva que não é verdadeira, e que nos dias seguintes aparecesse um acréscimo expressivo que não é verdadeiro. Agora é que nós estamos acompanhando”, argumentou.

Segundo ele, os números de internações continuam estáveis no estado.

“O momento é de cautela, realmente não é adequado nessas duas semanas próximas nós estarmos mudando mas, eu, conversando ontem mesmo com o secretário de saúde ele me afirmou, que em Minas Gerais os números de internação, que não tem relação com o Ministério da Saúde que avalia mais a questão dos óbitos, está normal. Estamos caindo numa normalidade, eu espero que essa seja a situação, mas está em observação”, explicou.

PortalGerais