NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 22 de abril de 2021

O equipamento detecta o câncer de mama antes mesmo do exame clínico. – Foto: Divulgação PMI

 

 

Após a compra, instalação e testagem do novo mamógrafo municipal, a oferta de exames de mamografia pelo aparelho terá início a partir da próxima segunda-feira, 12/04, em Itaúna, informou a Prefeitura.

 

De acordo com o Executivo, as marcações dos exames serão intermediadas pelas unidades de saúde (ESF’s) e confirmadas posteriormente pelo Setor de Regulação da SMS com data e horário de realização, sendo necessária a apresentação de requisição médica e cópia de documentação pessoal. O exame é oferecido de maneira gratuita através do Sistema Único de Saúde (SUS) e é a melhor forma de descobrir o câncer de mama.

 

A mamografia de rastreamento é um exame de rotina, simples, não invasivo, recomendado para mulheres na faixa etária de 50 a 69 anos de idade, realizada a cada dois anos, segundo orientações do Ministério da Saúde. Para mulheres com risco aumentado, pode acontecer fora da faixa etária recomendada, mediante solicitação e justificativa médica. Por meio deste procedimento é possível identificar alterações no tecido mamário, como tumores não palpáveis, microcalcificações e assimetrias, sendo, portanto, o principal meio de obtenção de diagnósticos precoces e aumentando significativamente as chances de cura.

 

De acordo com o Secretário Municipal de Saúde, Fernando Meira de Faria, “sem dúvidas um ganho imenso para a área da saúde, especialmente do público feminino. A nossa expectativa é realizar cerca de 200 a 250 mamografias mensais”, comenta.

 

O novo mamógrafo foi adquirido por meio de emenda parlamentar de R$ 400.000,00, conseguida pela vice-prefeita Gláucia Santiago, enquanto ainda era vereadora, juntamente com o Deputado Federal Lafayette de Andrada. Além da emenda, o município investiu R$ 599.990,00, totalizando quase R$ 1 milhão em investimentos. A cidade já teve mamógrafo no passado, que estragou em 2003 e tornou-se obsoleto. Por isso, as mulheres que necessitavam do exame tinham que se deslocar para outras cidades em busca deste tipo de atendimento (normalmente em Betim, via SUS / i.CISMEP) ou aguardarem a presença de caminhões para realização de mutirões na cidade.