Minas ultrapassa 50 mil óbitos por Covid

28/07/2021 | Minas Gerais

O ritmo de aumento das mortes por Covid em Minas se acelerou rapidamente entre março e maio  – Foto: Uarlen Valerio/ O Tempo

 

Minas Gerais contabilizou mais 158 mortes por Covid-19 nesta quarta-feira (28) e, com isso, ultrapassou a marca dos 50 mil óbitos causados pela doença. Ao todo, já são 50.059 as vítimas confirmadas no Estado desde o início da pandemia, segundo o boletim da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG).

 

O ritmo de aumento das mortes por Covid-19 em Minas Gerais se acelerou rapidamente entre março e maio deste ano, mas agora vem sendo observada uma tendência consolidada de queda. A redução coincide com a expansão da campanha de vacinação e, em parte, com as restrições de mobilidade mais rígidas impostas pela Onda Roxa, adotada pelo governo estadual durante o auge da curva, entre março e abril.

 

A título de comparação, a pandemia já durava mais de oito meses quando o Estado alcançou as primeiras 10 mil mortes por Covid, em 29 de novembro do ano passado. Depois, esse intervalo caiu para pouco mais de três meses até os 20 mil mortos.

 

No auge da crise, a curva levou somente 38 dias para chegar à casa das 30 mil vítimas, e outros 40 dias para alcançar as 40 mil. Agora, essa velocidade diminuiu e o Estado levou mais 61 dias para confirmar a marca atual, de 50 mil mineiros falecidos.

 

A média móvel, indicador utilizado para amenizar os atrasos nas notificações durante os fins de semana e feriados, confirma essa tendência positiva. Ela encontra-se atualmente na ordem das 118 vítimas por dia em Minas Gerais, bem abaixo do pico atingido em abril deste ano (quase 340 mortes registradas diariamente), mas ainda acima do maior patamar observado durante a chamada “primeira onda”, em agosto do ano passado.

 

Triângulo e Alto Paranaíba têm os piores índices

 

A região de Minas Gerais com a maior mortalidade por Covid-19 é a do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba, que reúne cidades como Uberaba, Uberlândia e Patos de Minas, além de localidades afetadas pelo colpaso da rede de saúde no início deste ano, como Coromandel e Monte Carmelo.

 

Nesta região, foram registradas até o momento 333 mortes a cada 100 mil habitantes, índice bem superior à media estadual (235). O total acumulado chegou a 8.011 vítimas residentes no Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba, de acordo com a SES-MG.

 

Vale do Rio Doce, Zona da Mata e Sul/Sudoeste também possuem índices de mortalidade superiores à média mineira.

 

No outro oposto, a região do Jequitinhonha apresenta a menor taxa de mortalidade (117 a cada 100 mil habitantes), com ao todo 846 mortes confirmadas por Covid-19. A região metropolitana de Belo Horizonte, por sua vez, contabiliza o maior número absoluto de mortes (15.887), porém com uma taxa de mortalidade de 231 a cada 100 mil habitantes, ligeiramente abaixo da média do Estado.

 

Boletim

 

Também foram confirmados nesta quarta-feira (28) mais 6.071 casos da doença em Minas Gerais, chegando-se, assim, a um total de 1.948.753 pessoas diagnosticadas no Estado.

 

A maioria das pessoas que morreram em decorrência do coronavírus em Minas Gerais, segundo a SES-MG, tinha 60 anos ou mais de idade (35.274 ao todo). Além disso, 67% das vítimas possuíam alguma comorbidade, sendo a cardiopatia a principal doença relacionada, seguida de diabetes.

 

Por O Tempo

Veja também