Morre ex-ministro da Agricultura Alysson Paolinelli

29/06/2023 | Centro-Oeste

Ex-ministro da Agricultura Alysson Paolinelli – Foto Rede Paolinelli/Divulgação

 

 

O ex-ministro da Agricultura, Alysson Paolinelli, natural de Bambuí, Centro-Oeste de Minas, ele morreu nesta quinta-feira 29/6, aos 86 anos, no Hospital Madre Teresa, em Belo Horizonte.

 

Paolinelli foi um visionário e um dos principais responsáveis pelo desenvolvimento da agricultura brasileira. Ele foi líder da revolução agrícola tropical sustentável, que transformou o país em potência agroalimentar e criou horizontes para a segurança alimentar mundial.

 

Em 2021 e 2022 Alysson Paolinelli foi indicado ao Prêmio Nobel da Paz, sendo criada, inclusive a Rede Paolinelli, que reuniu instituições do mundo acadêmico e do agronegócio com o propósito de coordenar e estimular o engajamento na indicação do ex-ministro da Agricultura ao prêmio.

 

Saiu de Bambuí ainda adolescente

 

Alysson Paolinelli nasceu no dia 10 de julho de 1936, em Bambuí. Segundo informações da Rede Paolinelli, que reúne detalhes da história do ex-ministro, ele percebeu muito cedo a importância da atuação do setor público no desenvolvimento agropecuário e na evolução da vida e renda da população, pois o pai dele foi engenheiro agrônomo e responsável pelo posto agropecuário da cidade.

 

Paolinelli deixou a cidade natal aos 15 anos para estudar em Lavras, no Sul de Minas. Em 1959, ele se formou engenheiro agrônomo pela Escola Superior de Agricultura de Lavras (Esal), atual Universidade Federal de Lavras (Ufla). No mesmo ano tornou-se professor na instituição, onde mais tarde ocuparia o cargo de diretor.

 

Ex-ministro da Agricultura Alysson Paolinelli – Fot  Rede Paolinelli/Divulgação

 

 

Desafio na Secretaria Estadual de Agricultura

 

No início da década de 70, Alysson Paolinelli foi convidado para a Secretaria de Agricultura de Minas Gerais, assumindo com o desafio de implantar uma nova matriz produtiva no estado, baseada em incorporação de tecnologia e políticas de crédito estimuladoras de modernização.

 

Criou então o Programa de Crédito Integrado (PCI), visando implantar projetos de colonização orientados por assistência técnica, uma política inovadora no Brasil rural daquela época.

 

Um outro projeto deu destaque à atuação de Paolinelli em Minas Gerais: o Programa de Assentamento Dirigido do Alto Paranaíba (PADAP), em parceria com a Cooperativa Agrícola de Cotia (CAC), que se tornaria modelo para a criação de outros projetos de colonização agrícola no cerrado brasileiro.

 

O trabalho que impulsionou a agricultura nacional

 

Após se destacar em Minas Gerais, em 1974, Alysson Paolinelli tornou-se ministro da Agricultura. Ele priorizou a ciência, a tecnologia e estruturou a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Implantou um ousado programa de bolsas de estudo para Mestrado e Doutorado, nas melhores universidades de ciências agrárias do mundo.

 

Criou o Programa de Desenvolvimento dos Cerrados (Polocentro), com novos mecanismos de política agrícola e levando infraestrutura e tecnologia para produzir alimentos na região.

 

Para apoiar o Polocentro com pesquisa agrícola específica, implantou a Embrapa Cerrados, impulsionando o grande salto da agricultura brasileira.

Estava na presidência da Abramilho

 

Ex-ministro Alysson Paolinelli – Foto Divulgação/Abramilho

 

Desde 2022, Alysson Paolinelli estava como presidente executivo da Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho).

 

Em 2012, ele fundou o Instituto Fórum do Futuro, voltado ao debate sobre o desenvolvimento sustentável, com foco em inovação, tecnologia e pesquisa. No Fórum, ele estava à frente do Projeto Biomas Tropicais, que oferece um novo caminho para a produção alimentar, preconizando a precedência da ciência na definição dos limites de uso sustentável dos recursos de cada bioma, antes do seu uso econômico.

 

Em 2006, Alysson Paolinelli foi premiado com o World Food Prize pelo incentivo à agricultura tropical brasileira na evolução da oferta de alimentos no mundo.

 

Paolinelli também já foi presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

 

Por G1 

 

 

 

 

 

 

Veja também