Música independente em Itaúna se consolida com coletivos, Coreto e nova produtora

14/11/2017 | Giro Cultural, Itaúna, Retrospectiva 2017

Foto: Bruno Freitas/Santana FM Coreto da Praça se tornou ocupação para manifestações artísticas, culturais e sociais

Bruno Freitas
Santana FM

Divulgação Intervenção no sábado (18) reunirá bandas do Rio e BH

O cenário da música independente em Itaúna vem se destacando nos últimos anos. Músicos dos quatro cantos do Brasil já passaram pela terrinha barranqueira. A circulação ocorre junto ao trabalho de coletivos independentes, como o Punho Cerrado, A Cidade Conversa e Black Stone 037. Agora uma nova produtora surge na cidade com a proposta de unir a cultura underground e o empoderamento feminino, dando oportunidades de as mulheres expressarem o trabalho, seja por meio da música, das artes visuais ou artes cênicas.

A produtora à frente da Ipê Amarelo, a jornalista Francielle Cristina, falou em entrevista à Santana FM sobre a importância do cenário independente em Itaúna, que tem no Coreto da Praça Dr. Augusto Gonçalves um espaço de ocupação para manifestações artísticas, culturais e sociais.

Segundo Francielle, o objetivo principal da nova produtora é abrir o foco da música independente em Itaúna e principalmente da região Centro-Oeste, junto com os coletivos que já atuam na cidade. A idealizadora destaca a importância do empoderamento feminino no cenário atual.

“É fundamental. De uns anos para cá a gente vê e consegue perceber essa mudança. A mulher está presente em todos os cenários. Desde o trabalho, frente das artes e outras formas de expressão. Então a gente precisa muito evidenciar e dar o verdadeiro foco para isso na nossa região. Não que não exista. Mas ainda não é tão solidificado como nas grandes capitais. Uma mulher empoderada em volta empodera várias outras”, aponta Francielle.

COVER NA NOITE A maioria dos artistas tem o sonho de mostrar o trabalho autoral, mas as músicas acabam ficando na gaveta porque o público prefere muitas vezes o estivo cover nos bares e casas de shows.

“Aqui na cidade e na nossa região, a música independente vem ganhando um foco tremendo. Prova disso são os festivais que vem acontecendo no Brasil inteiro. Não é porque está começando agora que não seja bom”.

OCUPAÇÃO DO CORETO O Coreto da Praça da Matriz, aponta a produtora, é um espaço privilegiado, que deve ser preservado e cuidado. Os autores das intervenções culturais são na maioria jovens, que buscam espaço na cultura local.

“Qualquer coisa que se faça ali, principalmente voltado para as artes, fica maravilhoso. É uma coisa que a gente deve preservar, cuidar. Quem geralmente ocupa aquele espaço e a gente vê várias intervenções ali, são na maioria jovens, que estão insatisfeitos com a cultura local, a questão financeira, e ocupam esse espaço afim de levar poesia, música, rodas de conversa sobre temas sociais e que possa ser algo que possa atingir a população como um todo”, conclui a jornalista.

INTERVENÇÃO No próximo sábado (18) a produtora fará uma intervenção com as bandas Chico de Barro, do Rio de Janeiro, Pata, de BH, e DJ Pejota, no bar Motorock, na av. Jove Soares. Pela primeira vez os músicos cariocas da Chico de Barro apresentarão o álbum Nogueira, uma união local de bossa nova, MPB e indie cuja capa é inspirada no primeiro trabalho do Clube da Esquina.

Veja também