Orquestra Filarmônica de MG recebe novo espaço para concertos

26/02/2015 | Minas Gerais

orquestra filarmonica mg

 

 

A Sala Minas Gerais, novo espaço para concertos montado no bairro Barro Preto, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, é preparada para a inauguração neste sábado (28). Ela é parte do conjunto arquitetônico parte da Estação da Cultura Presidente Itamar Franco e será, ainda, sede da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais. Um show da companhia, aberto ao público, marca a celebração.

Na semana passada, o espaço recebeu testes de som. Nesta semana, os 90 músicos da Orquestra ensaiam no local, construído especialmente para eles.

No sábado, o show será feito a partir das 20h30, sob a regência do maestro Fabio Mechetti. A Orquestra Filarmônica dividirá o palco com a soprano Edna D’Oliveira, a mezzo-soprano Edinéia de Oliveira, o Coral Lírico de Minas Gerais e o coro da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp). No reportório, o Hino Nacional Brasileiro, de Francisco Manuel da Silva; além da Sinfonia nº2, Ressurreição, de Gustav Mahler.

Os ingressos custam R$ 30,00, para o setor “balcão do palco”; R$ 40,00, para o “mezanino”, R$ 50,00, para o “balcão lateral”; R$70,00, para a “plateia central”; e R$ 90,00, para “balcão principal”. Estudantes e maiores de 60 anos têm direito à meia-entrada, mediante comprovação.

A temporada de shows 2015 da companhia começa no dia 5 de março deste ano, nesta nova sede.

Mais informações sobre o evento estão disponíveis no site da Orquestra Filarmônica.

A Sala Minas Gerais
A sala começou a ser projetada em 2013, mas a Orquestra Filarmônica já sonhava com a construção desde a criação do grupo, em 2008. O investimento foi de quase R$ 180 milhões.

Com tecnologia de ponta, o espaço conta com um difusor acústico móvel, que pode variar de altura de acordo com a necessidade. Ele foi montado no teto, sobre o palco. Nas laterais, bandeiras acústicas também são ajustáveis. Elas servem para rebater o som e se adequam à lotação da sala. O revestimento de madeira, em paredes ondulares, auxiliam na reverberação do som. Já a arquitetura  tem formato conhecido como “caixa de sapato”; retangular como as mais modernas do mundo, com cadeiras em toda a volta do palco.

São 1.447 lugares. De qualquer posição é possível ver a orquestra e o maestro. A apresentação de abertura da sala está sendo preparada em detalhes, testando, inclusive, a posição dos instrumentos para valorizar o espaço e o repertório.

Veja também