Palestinos protestam diante da sede da ONU em Gaza

29/01/2015 | Mundo

palestinos protesto onu

 

 

 

Dezenas de manifestantes tentaram nesta quarta-feira (28) invadir a sede das Nações Unidas em Gaza depois que a ONU afirmou não dispor de fundos para a reconstrução do território gravemente afetado pela mais recente guerra com Israel.

Cerca de 200 pessoas se concentraram durante do prédio Agência das Nações Unidas para os Refugiados (UNRWA), na Cidade de Gaza, onde queimaram pneus e jogaram pedras.

“Ainda não temos onde viver!”, gritavam os manifestantes, que tentaram entrar no prédio.

A polícia da Faixa de Gaza, controlada pelo movimento islamita Hamas, dispersou a manifestação.

A ONU anunciou na terça-feira a suspensão da ajuda a dezenas de milhares de palestinos para restaurar suas casas ou pagar o aluguel em Gaza depois da guerra com Israel, alegando que os doadores não cumpriram os compromissos financeiros.

“Em outubro foram prometidos US$ 5,4 bilhões na conferência do Cairo” para a reconstrução do território depois da guerra de julho e agosto de 2014, mas, “de certa forma, nenhuma desta ajuda chegou a Gaza. É doloroso e inaceitável”, afirmou em um comunicado Robert Turner, diretor em Gaza da UNRWA.

A agência faz um apelo urgente para arrecadar US$ 100 milhões para o primeiro trimestre do ano. Também adverte para o risco de desestabilização deste pequeno reduto atingido pela pobreza e pelo desemprego e sob o controle do movimento islamita Hamas.

Mais de 96.000 casas foram atingidas ou destruídas durante a guerra entre tropas israelenses e combatentes palestinos, lembra a UNRWA. São necessários US$ 720 milhões para responder às necessidades, disse, acrescentando que por enquanto recebeu apenas US$ 135 milhões.

Ainda resta parte do dinheiro dedicado à reconstrução das casas completamente destruídas, mas a parcela destinada à reparação das residências ou ao pagamento de aluguéis para as pessoas que ficaram desabrigadas se esgotou, afirma a agência.

Cerca de 100.000 pessoas permanecem sem lar desde o conflito de 50 dias, no qual morreram 2.200 palestinos e 73 israelenses.

Veja também