NO AR AGORA

Rádio Santana FM

Itaúna, 24 de janeiro de 2021

Foto Corpo de Bombeiros de Minas Gerais (CBMG) / Divulgação

 

Outra vítima da queda do ônibus na BR 381, em João Monlevade, morreu na noite desse sábado (5). Maria Luiza de Oliveira, de 56 anos, estava internada no CTI. O corpo será encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Belo Horizonte, segundo o Hospital Margarida, na cidade do Centro do Minas. Com isso, as mortes causadas pelo acidente chegam a 19.

Outras oito vítimas – seis homens e duas mulheres – seguem internadas no Hospital Margarida, após mais uma receber alta. Apenas uma delas, uma mulher de 27 anos, está no CTI, mas em situação estável. A maioria já passou ou passará por cirurgias ortopédicas, devido a fraturas.

Mais três pessoas estão internadas no Hospital João XXIII, em Belo Horizonte, segundo o último boletim da instituição, divulgado na noite de sábado.

0 ônibus caiu de um viaduto conhecido como “Ponte Torta”, no km 350 da BR-381 em João Monlevade, perto da entrada para Dom Silvério, em Minas Gerais. O acidente aconteceu por volta de 13h30 desta sexta-feira (4). Há suspeita de falha no freio do veículo. De acordo com a Polícia Civil, houve um total de 44 vítimas no acidente. Dessas, 13 morreram no local.

 

Veículo pegou fogo depois de despencar de uma altura aproximada de 15 metros – Foto Divulgação

 

 

Feridos

A Prefeitura de João Monlevade, na região Central de Minas Gerais, confirmou, na manhã deste sábado (5), a 18ª  morte decorrente do acidente do ônibus de turismo que caiu do viaduto Ponte Torta, na BR-381, na tarde desta sexta-feira (4).

Segundo a Secretaria Municipal de Assistência Social, a vítima é Elias Vieira Batalha, de 59 anos, que estava internado no CTI do Hospital Margarida, em João Monlevade. O homem é de São Paulo, e familiares dele já estão na cidade mineira.

A maioria dos feridos (28) foi conduzida para o Hospital Margarida, onde cinco morreram. Três que estavam na unidade hospitalar de João Monlevade foram transferidas para o Hospital de Pronto Socorro João XXIII, em Belo Horizonte. Outras três pessoas, que pularam do ônibus antes da queda, não ficaram feridas.

No hospital de Pronto-Socorro João XXIII (HPS), um homem de 33 anos e um menino, de 10, estão em estado grave. Uma menina, de 13 anos, apesar de sofrer traumas, como uma fratura no tornozelo, está em situação menos delicada.

Transporte dos corpos

O avião da Força Aérea Brasileira (FAB) que vai levar os corpos das vítimas do acidente da BR-381, que deixou 19 mortos, em João Monlevade, na região Central de Minas, vai decolar às 12h, desta segunda-feira (7), para levar as vítimas de volta as suas terras natais no Alagoas e na Bahia.

A decolagem será do Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte e, de acordo com a Defesa Civil do Estado, serão dois aviões, em um irão os familiares e nos outros os corpos. “Serão duas aeronaves uma da FAB C-130 que será utilizada para o transporte das urnas com os corpos, e uma outra aeronave, um C-99 da FAB transporte das vítimas e parentes das vítimas também”, informou o coordenador da Defesa Civil de Minas Gerais, tenente-coronel Flávio Godinho.

Corpos identificados

De acordo com a Polícia Civil todos os corpos já foram identificados neste domingo (6). “Um corpo já foi retirado pela família com destino a Alagoas. Quatro corpos devem seguir para São Paulo, amanhã pela manhã, via terrestre, sob os cuidados da Policia Científica daquele Estado. A Defesa Civil de Minas Gerais articula com a FAB a remoção dos demais corpos”, informou a Polícia Civil.

De acordo com a prefeitura de Mata Grande, de onde são a maioria das vítimas, o avião da FAB vai pousar na Bahia.  “A expectativa é que essa aeronave vá para a cidade de Paulo Afonso na Bahia, por que a logística é bem melhor. Fica a 80 km de Alagoas, se vier para Maceió precisa deslocar por 200 km. Tem vítimas de outras cidades como Delmiro Gouveia (em Alagoas), que tem três vítimas; Santa Brígida, cidade da Bahia, tem uma vítima; Agua Branca e Pariconha, ambas em Alagoas, têm mais vítimas”, explicou Wadson Correia, assessor de comunicação da prefeitura de Mata Grande.

O acidente

Informações dão conta de que o veículo saiu de Santa Cruz do Deserto, povoado de Mata Grande (AL), às 9h de quinta-feira (3), com destino a São Paulo (SP). Quando estava passando pela ponte, no sentido Belo Horizonte da pista, o condutor teria perdido o controle do ônibus, após suposta falha mecânica no freio, e o veículo voltou em marcha à ré, colidindo com a mureta do viaduto. O ônibus caiu às margens da Estrada de Ferro Vitória Minas e do rio Piracicaba, de uma altura aproximada de 35 metros.

A Polícia Civil de Minas Gerais instaurou inquérito para investigar as causas do acidente. Todos os corpos foram levados para o Instituto Médico Legal de Belo Horizonte.

A Localima Turismo, empresa responsável pelo ônibus, não tinha autorização da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para transportar passageiros.

O tenente Pedro Aihara, porta voz do Corpo de Bombeiros, contou que o acidente ocorreu por volta de 14h.

“Esse ônibus caiu de uma altura aproximada de 15 metros, ele levava 40 passageiros, 11 pessoas vieram a óbito no local e outras três vítimas não resistiram aos ferimentos quando chegaram até o hospital, totalizando 14 mortes até o momento. Vinte e seis pessoas encontram-se feridas e, dessas 26 feridas, três vítimas em estado mais grave, sendo um adulto e duas crianças. Eles estão sendo transportadas pelos helicópteros do Corpo de Bombeiros para o Hospital de Pronto-Socorro João XXIII, hospital de referência no atendimento a politraumatizados na região metropolitana. O estado de saúde dessas pessoas é bastante grave. A maioria delas tem um quadro de traumatismo crânio encefálico e todas elas estão entubadas e com suspeita de pneumotoráx”, explicou.

A PRF está apurando a possibilidade de que um segundo veículo tenha sido envolvido no acidente. Contudo, as informações estão desencontradas por ora e, no local, há dificuldade de comunicação com os agentes in loco. Uma das possibilidades é que o ônibus tenha perdido os freios.

Foto Flavio Tavares/ O Tempo

Aihara diz que até o momento há duas versões para o acidente. “Ainda não se sabe exatamente a causa desse acidente há duas versões principais relatadas pelas testemunhas. Algumas testemunhas relataram que no momento em que esse ônibus se encontrava subindo, por que se trata de um trecho de aclive, ele teria perdido o tracionamento, voltado de ré e, no momento que ele volta de ré, ele bate na estrutura de proteção da ponte e acaba caindo de 15 metros. E uma outra versão diz que antes dessa situação de perda de tração acontecer, esse ônibus teria colidido com veículos que estavam em uma retenção de trânsito, incluindo um caminhão”, complementou.

A placa do veículo, que é da empresa paulista Localima Turismo, é de Alagoas, mas ainda não é possível afirmar de onde ele vinha. Por causa do acidente, o trânsito está congestionado no local. Conforme a PRF, motoristas estão parando no trecho para conferir o acidente e prejudicando o tráfego.

Um força-tarefa foi montada para atender as vítimas. Além dos agentes da PRF, viaturas do Corpo de Bombeiros foram deslocadas para o local. Ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e particulares de Monlevade e Nova Era também seguem para ajudar no resgate.

Os feridos mais graves devem ser transportados por helicópteros até hospitais da região e de Belo Horizonte. Até o momento, ainda não há informações sobre as circunstâncias do acidente, que será investigado pela Polícia Civil.

 

Ônibus despencou de ponte – Foto CBMMG/Divulgação

 

Hospital em cenário de guerra

No Hospital Margarida, em João Monlevade, para onde as vítimas do acidente estão sendo foram encaminhadas, o cenário é de guerra. Segundo informações de trabalhadores e da assessoria de imprensa do local, 28 pessoas foram levadas para lá.

Dessas, duas não resistiram aos ferimentos morreram. Informações extraoficiais dão conta de que uma das vítimas fatais seja o motorista do veículo, mas isso ainda não foi confirmado.

Duas crianças e um adulto que ficaram em estado mais grave após o acidente, são transferidos de helicóptero do Corpo de Bombeiros para o Hospital de Pronto-Socorro João XXIII, na região Centro-Sul de Belo Horizonte, segundo o Corpo de Bombeiros.

Foto Divulgação

Rodovia da morte

O trecho em que aconteceu a queda do ônibus de turismo é temido por viajantes mineiros que rumam às praias capixabas, tanto é que, comumente, chamam o trecho de Rodovia da Morte.

Operações temporariamente suspensas na linha de trem

Conforme informações preliminares da assessoria de imprensa da Vale, que controla as linhas de trem que ficam próximo ao local onde o ônibus caiu, as operações estão suspensas por ora.

O veículo atingiu apenas uma das duas linhas e, o trem que vem de Vitória, no Espírito Santo, com destino a Belo Horizonte, que passa pelo local, está distante.

A empresa ainda não precisou se a viagem será cancelada ou não, mas um posicionamento será emitido em breve.

 

Governador de Minas, Romeu Zema lamenta acidente

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo) afirmou estar “estarrecido” com o acidente e desejou “toda a soliedariedade aos familiares e amigos” das vítimas. O anúncio foi feito pelo perfil do chefe do Executivo no Twitter

 

Por O Tempo