Valor da energia elétrica deve subir até 30% em 2022, diz estudo

2/12/2021 | Brasil

O aumento em média será de 19%, mas em alguns locais a alta pode ser de 30% – Foto: Beth Santos/ Secretaria Geral da Presidência

 

A conta de energia elétrica deve sofrer, em média, um aumento de 19% em 2022, de acordo com cálculos da TR Soluções, empresa de tecnologia especializada em tarifas de energia. As informações são do portal UOL.

 

Segundo o levantamento da empresa, em algumas regiões, a alta na conta de luz por ultrapassar a marca dos 30%.

 

Ainda de acordo com o estudo, a maior parte desse aumento, 12%, será necessária por conta da alta de custos da geração de energia provocada pela seca.

 

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) determinou a cobrança de uma taxa extra na conta de luz, a bandeira tarifária, por conta da pior seca que o país enfrentou nos últimos 90 anos, o que provocou o acionamento de usinas térmicas para suprir a demanda por energia elétrica.

 

IPC-S acumula 9,89% no ano

 

O Índice de Preços ao Consumidor-Semanal (IPC-S) acelerou a 1,08% no fechamento de novembro, após variação de 0,77% em outubro e de 0,96% na terceira quadrissemana do mês.

 

A informação foi divulgada nesta quarta-feira (1º) pela Fundação Getulio Vargas (FGV). O indicador acumulou inflação de 9,89% nos 12 meses até novembro, maior que o avanço de 9,73% ocorrido até outubro.

 

Das oito categorias de despesas que formam o indicador, quatro avançaram na variação da terceira quadrissemana de novembro para o fechamento do mês, com destaque para Educação, Leitura e Recreação, que saltou de 0,57% para 1,51%. Em outubro, a taxa havia sido de 1,57%. A maior contribuição foi de passagem aérea, cuja variação subiu de 2,88% para 8,87% na comparação quadrissemanal.

 

Habitação (0,36% para 0,56%), Transportes (2,98% para 3,07%) e Vestuário (0,48% para 0,59%) também registraram avanço ante a terceira quadrissemana. Nessas classes de despesa, houve participações importantes de condomínio residencial (0,28% para 1,43%), etanol (9,83% para 10,61%) e roupas femininas (0,32% para 0,60%), respectivamente.

 

Os itens que mais pressionaram o IPC-S para cima no fechamento de novembro foram gasolina (7,28% para 7,44%), passagem aérea (2,88% para 8,87%) e etanol (9,83% para 10,61%). Condomínio residencial (0,28% para 1,43%) e tarifa de eletricidade residencial (0,19% para 0,63%) completam a lista.

 

Já leite tipo longa vida (-2,80% para -2,88%), perfume (-0,30% para -0,98%) e banana-prata (-4,59% para -3,59%) tiveram as maiores influências de baixa no resultado quadrissemanal, seguidos por arroz (-0,83% para -1,38%) e costela bovina (-2,32% para -1,87%).

 

 

 

 

Por O Tempo

Veja também